Sobe para 36 número de mortes por febre amarela em Minas Gerais

Subiu para 36 o número de mortes em decorrência da febre amarela em Minas Gerais desde dezembro de 2017. O número foi confirmado pelo subsecretário de Vigilância e Proteção à Saúde de Minas Gerais, Rodrigo Said, nesta terça-feira (30). Nenhuma das vítimas havia sido vacinada.
Ao todo, o estado tem registro de 81 casos confirmados de febre amarela. Destes 77 são homens e quatro mulheres. A média de idade das pessoas infectadas é de 47 anos. Atualmente, o índice de letalidade da febre amarela no estado está em 44,4%.
No estado, outros 208 casos continuam em investigação e 56 casos suspeitos foram descartados, conforme o último boletim epidemiológico.
Em janeiro de 2017, o número de mortes pela doença no estado, segundo a Secretaria de Saúde, era 40, contadas desde dezembro de 2016. À época, a secretaria tinha registro de 844 casos confirmados.
O governo de Minas Gerais decretou situação de emergência em cinco áreas do estado, somando 162 municípios. A cidade de Nova Lima, na Região Metropolitana, é a com mais mortes por febre amarela no estado – totalizando seis.
O que é a febre amarela?
A febre amarela é uma doença infecciosa febril aguda, causada por um vírus transmitido por mosquitos infectados. Em área rural ou de floresta, os macacos são os principais hospedeiros e a transmissão ocorre pela picada dos mosquitos transmissores infectados Haemagogus e Sabethes. Nas cidades, a doença pode ser transmitida principalmente por mosquitos da espécie Aedes aegypti. Não há transmissão direta de pessoa a pessoa.
Os sintomas iniciais da febre amarela incluem o início súbito de febre, calafrios, dor de cabeça intensa, dores nas costas, dores no corpo em geral, náuseas e vômitos, fadiga e fraqueza.