Polícia Civil conclui investigação de feminicídio em São Pedro do Suaçuí

A Polícia Civil concluiu, nesta quinta-feira (22/7), as investigações que apuraram o assassinato de uma jovem, de 23 anos, ocorrido no dia 11 de julho, na área rural de São Pedro do Suaçuí. O suspeito, de 37, que era Secretário de Esportes do município de São José do Jacuri, é ex-namorado da vítima e ficou foragido por três dias, até ser preso em Vitória, no Espírito Santo.

Na data dos fatos, a vítima participava de uma festa com alguns amigos, quando o suspeito chegou armado, iniciou uma discussão com a jovem e atirou algumas vezes contra ela, que estava abraçada com a outra vítima, um homem de 32 anos, atingido de raspão. Após o crime, o suspeito fugiu do local.

No decorrer das investigações, mesmo com o suspeito ainda foragido, a Polícia Civil representou por mandados de busca e apreensão na casa e no trabalho dele, em São José do Jacuri. Os mandados foram cumpridos na manhã de terça-feira, 13 de julho, sendo apreendidos pelas equipes das polícias Civil e Militar diversos documentos e o notebook do homem, cujo material foi encaminhado para a perícia.

Com a materialidade e autoria definidas, a Polícia representou pela prisão preventiva do ex-secretário, que foi finalmente localizado e preso na capital capixaba, na noite do dia 13 de julho. Ele foi preso graças à ação coordenada entre as polícias civis e militares, de Minas e do Espírito Santo, com apoio das guardas municipais de Vitória e Vila Velha.

Nesta quinta-feira (22/7), o homem foi trazido para Minas Gerais, sendo interrogado na sede da Delegacia Regional em Governador Valadares, exercendo o seu direito de permanecer em silêncio. Após os trabalhos, ele foi entregue ao sistema prisional, onde permanece à disposição da Justiça.

De acordo com o delegado Rodrigo Nalon, que conduziu as investigações, o inquérito policial foi relatado e seguirá para a Justiça. “Em razão das provas levantadas durante as apurações, indiciei o suspeito pela prática de homicídio triplamente qualificado, por recurso que dificultou a defesa da vítima, por feminicídio e motivo torpe. Quanto à vítima que sofreu o tiro de raspão, o suspeito deverá responder pela tentativa de homicídio”, disse o delegado, que também decidiu pelo indiciamento do homem devido ao disparo de arma de fogo que ele havia efetuado momentos antes da execução do crime. (As informações e foto são da Polícia Civil de Minas Gerais – PCMG)