Educadores e Executivo realizam reunião para tratar do atraso dos salários

Nesta segunda-feira, 19/11, professores e representantes do sindicato que representa a categoria participaram de mais uma rodada de negociações na prefeitura de Guanhães, com a prefeita Dóris Campos Coelho (Dorinha) em busca de uma posição sobre o pagamento dos salários dos servidores da educação, cujos vencimentos de setembro foram quitados apenas 50% e os do mês de outubro estão atrasados, além das férias prêmio.

Sobre os salários, Dorinha disse que tão logo caia o dinheiro em caixa, este será repassado aos professores. Quanto ao repasse do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação (Fundeb) para o ano de 2019, os professores pediram à prefeita que se comprometesse por escrito a fazer o repasse, bem como posição do Tribunal de Contas de Minas Gerais (TCMG) sobre o pagamento do saldo remanescente referente a 2018.

Perguntada sobre se o dinheiro não chegar, os professores ficariam sem receber, a prefeita esclareceu que não é possível responder ao questionamento, pois a situação é inédita e o município depende do repasse do Estado.

Os professores adiantaram a possibilidade de não iniciar o ano de 2019 se os seus pagamentos referentes ao ano de 2018 não forem quitados. Além do atraso dos salários, outros assuntos também foram abordados no encontro, enquanto alguns servidores da área realizavam uma manifestação pacífica na porta da prefeitura, com apitos, faixa e vestidos de preto.

Também na reunião foi falado sobre encerramento do contrato de transporte escolar, ocorrido no dia 29 de junho. Esse contrato passou por auditoria do Tribunal de Contas da União (TCU) e foi cogitado o seu aditivo, não sendo possível ser o mesmo realizado, ocasionando, na época, na antecipação das férias.

Ainda nessa segunda-feira, os educadores e o Executivo Municipal participaram de uma reunião com o Ministério Público de Minas Gerais (MPMG) na tentativa de achar uma solução para a situação através de uma mediação.

Ronny Barroso

Mais notícias