Corpo de mulher desaparecida é encontrado enterrado em Carmésia

Policiais militares de Carmésia encontraram nessa quarta-feira, 12 de setembro, o corpo de uma mulher de 33 anos, que estava desaparecida desde o dia 5 deste mês e foi achada dentro de uma canaleta, encoberta por terra, nas proximidades de uma fazenda.

Na última segunda-feira (10), o irmão de Andreia Kênia Valadares, procurou a polícia para o registro da ocorrência de desaparecimento, tendo em vista que ela ainda não havia retornado para a casa. Diante do sumiço, os parentes passaram a procurar pela vítima.

Na manhã de quarta-feira, após sentir um forte cheiro vindo das proximidades da fazenda, o irmão da vítima foi até ao local, onde deparou com alguns vestígios de sangue e percebeu um volume dentro de uma canaleta de escoamento da água pluvial encoberto por terra.

Diante do fato, a polícia foi acionada e os militares preservaram o local para os trabalhos da perícia técnica da Polícia Civil de Itabira. Na chegada do perito criminal foi constatado que realmente se tratava de um corpo já em avançado estado de decomposição. Andreia Kenia foi reconhecida pelo irmão através das roupas e de uma tatuagem. No local foram encontradas duas facas e alguns pertences da vítima que foram apreendidos.

No corpo da vítima havia ferimentos possivelmente causados por faca. Após os trabalhos periciais, o corpo foi encaminhado para o Instituto Médico Legal (IML), no Cemitério da Paz, em Itabira, para ser examinado por um médico legista da Polícia Civil.

Dois homens, um de 37 e outro de 27 anos, foram presos na manhã dessa quinta-feira, 13 de setembro, suspeitos de participarem da morte de Andreia. Segundo informações, um dos suspeitos teria tentado suicídio após a descoberta do corpo e, nesta quinta, foi socorrido para o hospital de Guanhães. Na unidade de saúde, o homem afirmou que teria participado do homicídio em Carmésia e que o mandante do crime seria o marido da vítima e que ele mesmo havia desferido os golpes de faca na vítima.

Em conversa com os militares, o acusado afirmou que foi contratado pelo marido de Andréia Kênia para mata-la e que ele lhe daria a sua motocicleta como pagamento do serviço.

No dia do crime, o homem disse que levou a vítima até uma construção abandonada do antigo asilo, mas que lá não teve coragem de mata-la e que o contratante foi quem teria desferido os golpes de faca em Andreia Kenia.

Os policiais, ao tomarem conhecimento do fato, de imediato iniciaram as diligências e o suposto mandante foi detido em uma funerária, em Itabira, tentando fazer a liberação do corpo de sua esposa. Diante do fato, o suspeito foi levado para a delegacia de Polícia Civil para prestar esclarecimentos do fato.

A polícia afirmou que a faca possivelmente usada na ação criminosa e a motocicleta prometida como pagamento foram apreendidas. Em conversa com os familiares de Andreia Kenia, os militares foram informados que um dia após o desparecimento da vítima, o homem retirou todos os seus pertences da casa onde o casal morava e que isso teria levantado uma certa suspeição.

O rapaz que confessou o crime tentou se enforcar e possivelmente sofreu uma lesão na coluna, tendo que ficar internado sob cuidado médico no hospital de Guanhães. Após receber alta será levado para a delegacia de Polícia Civil para futuras providências pertinentes ao caso.