Governo de Minas deve manter pagamento a servidores em três parcelas

Fontes governistas chegaram a confirmar que o Estado diminuiria o escalonamento, pagando a folha de 100% do funcionalismo em duas vezes, mas recuou no fim do dia

O governo de Minas deve divulgar nesta terça-feira (1º) a escala de pagamento de agosto dos servidores em três parcelas, como é feito desde janeiro de 2016. Nesta segunda-feira (31), fontes governistas chegaram a confirmar que o Estado diminuiria o escalonamento, pagando a folha de 100% do funcionalismo em duas vezes. A primeira parcela deve ser paga no dia 11.

A informação foi desmentida no início da noite desta segunda por um interlocutor do governo do Estado. As secretarias de Fazenda (SEF) e de Planejamento (Seplag) não confirmaram a informação oficialmente.

“Essa possibilidade (pagamento em duas parcelas) foi amplamente discutida pelas equipes econômicas do governo e pode vir a acontecer, mas não antes de outubro”, afirmou uma fonte técnica ouvida por O TEMPO. Segundo ela, tudo vai depender da arrecadação do Estado. Ainda segundo informações, o governo pretende pagar integralmente o servidor apenas a partir de 2018, ano eleitoral.

A única categoria do Estado que já vem recebendo o salários em duas parcelas é a da segurança pública, como confirma um ofício publicado pelo Sindicato dos Delegados de Polícia do Estado de Minas Gerais (Sindepominas).

Atraso

Até esta segunda, último dia do mês, os servidores estaduais desconhecem as datas em que receberiam seus salários. “É impossível planejar a vida desse jeito. Não sabemos se e quando vamos receber os salários. Está uma situação horrível”, reclamou um funcionário público que não quis ter o nome publicado.

O Estado vinha divulgando as escalas de pagamento com antecedência de três meses. Com a aproximação do ano eleitoral, as equipes técnicas da Fazenda e do Planejamento se debruçam em cálculos para tentar normalizar a folha de pagamento do servidor do Estado. Por um período de doze anos, a folha era paga integralmente no quinto dia útil. O governador Fernando Pimentel (PT) alegou crise financeira para passar a escalonar em três vezes a folha de pagamento.

Desde o ano passado, a primeira parcela passou a ser depositada, com atraso, entre os dias 10 e 13 de cada mês, afetando principalmente servidores que recebem até R$ 3.000 e que equivale a 75% dos trabalhadores.

Outros 20% que recebem entre R$ 3.000 e R$ 6.000 têm o salário parcelado em duas vezes. A segunda parcela costuma ser paga perto do dia 17. Apenas 5% do funcionalismo, com salários acima de R$ 6.000, recebiam a terceira parcela.

Caso o governo adote o pagamento dos salários em duas parcelas, a partir de outubro, só haverá benefício para a totalidade de funcionários se a data do primeiro depósito for antecipado. “Caso contrário, o pagamento em duas parcelas beneficiaria somente grande salários”, afirmou um técnico.

Feriado

No últimos dois meses, o governo pagou a primeira parcela dia 13 que, este mês, cai no domingo. Espera-se que o depósito seja dia 11, já que 14 e 15 será feriado no Estado.