Está no Ar

Recados No Ar





Envie seu pedido!

Cruzeiro apresenta déficit de quase R$ 30 mi em 2016

Na última segunda-feira, conselheiros deliberativos aprovaram as contas do clube referentes à temporada passada

As contas do Cruzeiro referentes à temporada passada foram aprovadas pelos conselheiros deliberativos do clube na última segunda-feira. No balanço, a Raposa apresenta um déficit de R$29,3 milhões. O presidente Gilvan de Pinho Tavares, que assinou o documento, justificou o prejuízo devido à ausência do time celeste em competições internacionais e também à queda de receita com bilheteria e com o programa Sócio do Futebol. No total, a arrecadação em 2016 foi de R$ 238,3 milhões. O valor líquido, porém, é de R$ 231,5 milhões - por conta dos impostos.

A receita do ano passado é aproximadamente 31% inferior ao valor arrecadado em 2015 (R$ 343,9 milhões). Além disso, as despesas do clube também aumentaram consideravelmente: de R$ 228,9 milhões, em 2015, para R$ 267,7 milhões, em 2016.

Os direitos de transmissão para a televisão seguem sendo a maior receita do Cruzeiro. Em 2016, a Raposa arrecadou R$ 130,9 milhões nesse quesito. Na sequência vem bilheterias/premiação (R$ 31, 4 milhões), direitos econômicos/cessão temporária (R$ 28,5 milhões), patrocínios/royalties (R$ 26,8 milhões) e outras rendas (R$ 4,9 milhões). Já os clubes sociais e os esportes amadores foram responsáveis por arrecadar R$ 15,9 milhões à Raposa.

Apesar das informações obtidas pela reportagem, o clube só vai divulgar o balanço financeiro de 2016 oficialmente ao fim do mês.

Previsão era de “redução de custos”

No relatório divulgado na temporada passada foi destacado o fato de o clube ter adequado, em 2015, o Estatuto Social ao Programa de Modernização da Gestão e da Responsabilidade do Futebol Brasileiro (Profut), regularizando todos os débitos fiscais. No documento, o Cruzeiro ressalta que no planejamento para 2016 já estava previsto o empréstimo de jogadores que não seriam aproveitados no atual elenco, "garantindo, com isso, o ganho de experiência e redução de custos".

Apesar do aumento das despesas totais (de R$ 228,9 milhões, em 2015, para R$ 267,7 em 2016), o clube, de fato, reduziu as despesas com a atividade desportiva profissional: de R$ 306,3 milhões para R$193,1 milhões. Dessa conta, R$ 149,2 milhões foram destinados à folha salarial no ano passado. (Globoesporte.com)