Está no Ar

Governo de Minas confirma 75 mortes por febre amarela

Segundo Secretaria de Saúde, outros 94 óbitos estão sob investigação. Casos confirmados da doença são 208.

A Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES-MG) confirmou 75 mortes por febre amarela nesta quarta-feira (15). Outros 94 óbitos ainda são investigados, de acordo com o órgão.

Os casos confirmados de febre amarela em Minas são 208, de acordo com a secretaria. Ainda estão sob investigação outros 730 casos da doença relacionados ao estado; 57 notificações foram descartadas.

Este é o pior surto de febre amarela já registrado em Minas Gerais. Conforme a SES, na maioria dos casos suspeitos, as pessoas tiveram os sintomas entre os dias 08 e 14 de janeiro de 2017.

Ainda segundo a secretaria, os casos confirmados já passaram por exame laboratorial detectável para febre amarela; exame laboratorial não detectável para dengue; histórico vacinal (não vacinado/vacinação ignorada); sinais e sintomas compatíveis com a definição de caso; e exames complementares que caracterizam disfunção renal/hepática.

Mortes de macacos

Mortes de macacos por febre amarela foram confirmadas em Belo Horizonte, Contagem e Betim, de acordo com a Secretaria de Estado de Saúde Minas Gerais. Em cidades próximas à capital mineira, há casos em investigação em Juatuba, Nova Lima, Sabará e Ouro Preto.

A secretaria está reforçando a vacinação, principalmente nas proximidades das áreas onde estes animais foram encontrados mortos. Os macacos são um indicador importante para a vigilância da febre amarela, porque adoecem primeiro e, a partir dos registros de óbitos, se obtém informações sobre a circulação do vírus.

A febre amarela silvestre é transmitida através da picada de mosquitos Haemagogus e Sabethes. Quando o mosquito pica um macaco doente, torna-se capaz de transmitir o vírus a outros macacos e ao homem. A doença também é transmitida pelo Aedes aegypti, mas somente em ambiente urbano. Em Minas, não há notificação de casos em área urbana, segundo a Secretaria de Estado de Saúde. (G1)